Arquivo para homenagem

novas aquisições para a discoteca

Posted in Genealogias de minhas paixões, musique non stop with tags , , , , , , , , , , on 16/09/2010 by coelhoraposo

A música brasileira por seus autores e intérpretes – Vols. 2 a 8

clique na imagem para ser direcionado para a loja virtual do SESC São Paulo

Alguns anos atrás fui a um show da Patife Band (banda liderada por Paulo Barnabé que fazia na década de 1980 um “punk dodecafônico”, se assim posso definir seu som) no SESC Pompéia. Após um espresso e um momento de pura tietagem com Tom Zé! (sim, ele estava lá para o show também), fui matar o tempo até o início do show no quiosque dos produtos com o selo SESCSP. Foi lá que comprei o primeiro volume desta coleção maravilhosa que tem os registros dos programas Ensaio e MPB Especial, da extinta TV Tupi e da TV Cultura, criados e dirigidos pelo produtor musical Fernando Faro. O primeiro volume contém 12 cd’s, cada um com uma entrevista intercalada com as músicas de um artista diferente, neste volume tem Adoniran Barbosa, Bucy Moreira, Carlos Lyra, Cartola, Ciro Monteiro, Conjunto Época de Ouro, Jackson do Pandeiro, João Pacífico, Joubert de Carvalho, Lupicínio Rodrigues, Mário Lago e Paraguassú.

Mas bom mesmo foi encontrar essa semana essa promoção na Loja Virtual do SESCSP: simplesmente os outros 7 volumes, com outros 88 programas, estão sendo vendidos por R$ 249,00!!! Com frete grátis para todo o Brasil. Para se ter uma ideia, cada CD sai por incríveis R$ 2,83. É um preço muito barato para um tesouro tão precioso!!! Quem gosta de música brasileira não pode perder esta oportunidade única. Segue a lista dos artistas entrevistados nos programas de Fernanado Faro que foram registrados nesta coleção:

Ademilde Fonseca, Alaíde Costa, Antônio Almeida, Antônio Nássara, Antônio Nóbrega, Antônio Rago, Aracy de Almeida, Baden Powell,Banda de Pífanos de Caruaru, Beth Carvalho, Billy Blanco, Blecaute, Canhoto da Paraíba, Carmélia Alves, Cascatinha & Inhana, Chico Buarque, Claudete Soares, Claudionor Cruz, Copinha, Dick Farney, Djalma Corrêa, Dominguinhos, Dorival Caymmi, Elton Medeiros, Fagner, Fátima Guedes, Geraldo Filme, Germano Mathias, Mestre Ambrósio, Guilherme de Brito, Guinga, Henricão, Henrique Cazes, Hermeto Pascoal, Hervê Cordovil, Inezita Barroso, Isaura Garcia, Ismael Silva, Ivan Lins, Ivone Lara, João de Barro (Braguinha), João do Vale, João Nogueira, Joel de Almeida, Johnny Alf, Kleiton & Kledir, Lúcio Alves, Lúcio Cardim, Luiz Gonzaga Júnior, Luiz Vieira, Manezinho Araújo, Mauro Duarte e Noca da Portela, Mestre Marçal, MPB-4, Nana Caymmi, Nara Leão, Nei Lopes, Nelson Cavaquinho, Nelson Gonçalves, Newton Teixeira, Nora Ney, Orlando Silva, Otacílio Batista, Diniz Vitorino, Paulinho da Viola e Os Quatro Crioulos, Paulo Soledade, Paulo Vanzolini, Pedro Caetano, Pena Branca e Xavantinho, Quinteto Violado, Raphael Rabello, Renato Borghetti, Roberto Corrêa, Roberto Luna, Roberto Martins, Roberto Menescal, Roberto Paiva, Roberto Ribeiro, Roberto Silva, Sá & Guarabyra, Sambas da Bahia, Sérgio Ricardo, Sílvio Caldas, Taiguara, Tito Madi, Tonico e Tinoco, Zé Ketti, Zé Menezes e Zimbo Trio.

Para quem se interessar, a Gravadora Trama e a própria TV Cultura lançaram alguns destes programas em DVD. Eu só quero saber quando vão lançar o programa que tem a entrevista de Walter Franco, o que nos leva à segunda nova aquisição para a discoteca…

Vela Aberta, 1980 – Walter Franco

clique na imagem para ser direcionado para o site da Livraria Cultura

Ontem fui conhecer a Livraria Cultura do Shopping Iguatemi, tinha que comprar um presente de aniversário para uma amiga e como só sei comprar discos e livros para os amigos, a escolha do local era óbvia. Enquanto estava ao telefone com a japonesa mais amazônica que há, chère Lisa, rodei a livraria atrás de algo, que logo encontrei, mas no caminho do caixa me deparo com a seção de discos, mais especificamente com expositores contendo a novíssima Coleção Cultura, projeto encabeçado por aquele responsável por tornar acessível álbuns mais do que fundamentais da música brasileira e que permaneciam esquecidos há décadas: Charles Gavin (que, para quem não sabe, é o ex-baterista do Titãs). Não tive dúvidas em comprar este que é o quarto álbum do meu mestre maior. Reedição caprichada, mais uma aquisição fundamental para a minha discoteca. Em vinil eu já tinha (relançado por Carlos Calanca através de seu maravilhoso selo Baratos Afins), agora em CD posso apreciar mais essa jóia de Walter Franco.

Deixo vocês com o texto de apresentação do álbum, por Charles Gavin:

A música de Walter Franco apresenta, desde seu primeiro disco de 1972, uma mistura ácida de rock and roll, MPB, poesia, atitude e experimentalismo. Em 1979, embalado pela repercussão da performance de Canalha no Festival da Canção da TV Tupi, o artista se trancou em estúdio para gravar o álbum mais pop e acessível de sua carreira. No repertório do novo disco se destacavam, além da própria Canalha, várias pérolas do cantor e compositor paulistano, como a Vela aberta, canção-título do LP, e as releituras de Feito gente e Me deixe mudo, clássicos de sua carreira, registrados anteriormente em Revolver, de 1975.

mantra

Posted in Genealogias de minhas paixões, musique non stop with tags , , , , on 10/09/2010 by coelhoraposo

Tudo é uma questão de manter

A mente quieta

A espinha ereta

E o coração tranquilo

Coração Tranquilo (Walter Franco)

top 5 – cantoras brasileiras (update!)

Posted in listas, musique non stop with tags , , , , , , , , , on 13/08/2010 by coelhoraposo

já que este blog está numa fase de listas musicais, aqui vai a das cantoras brasileiras:

ATENÇÃO! Retirei Elis Regina da lista porque, mesmo sabendo que toda unanimidade é burra, toda regra tem sua exceção e no caso, Elis é unanimidade, é hors-concours!

  • Elizeth Cardoso – bem ela é A divina, né? Precisa dizer mais?;
  • Elza Soares – precisa explicar?
  • Gal Costa – pela capacidade de ser a porta-voz de toda uma geração e carregar o tropicalismo nas costas, na sensualidade e na voz;
  • Maria Bethânia – por ser a Maria Bethânia;
  • Nara Leão – porque além de ser uma fofíssima ela tinha um talento cerebral e um poder aglutinador fantásticos.

Mênção honrosa para Ná Ozzetti porque é a única cantora surgida nos últimos 30 anos que realmente tem curriculum, talento e merecimento para pleitear uma sexta vaga na lista acima.

midnight express

Posted in Genealogias de minhas paixões with tags , , on 03/12/2009 by coelhoraposo

pensei em mil coisas no dia de hoje
pensei em todos os dias em que estive contigo
pensei em todos os aniversários que passamos juntos
pensei no tempo que não deixa de ser tempo
imutável

hoje estou aqui, 13 horas distantes de ti
milhares de quilômetros nos separam
mas nada – absolutamente nada
pode me impedir de te dizer
feliz aniversário, meu amor!

Seja feliz,
tome posse do que é seu:
conquiste o mundo!

ps. não sou poeta, como sabes. Mas dane-se a métrica o que importa é o sentimento!

Ser feliz é bem possível…

Posted in Genealogias de minhas paixões, musique non stop with tags , , on 04/09/2009 by coelhoraposo

ataulfoitamar

Pensei em falar do Grupo Corpo, pensei em falar do pré-sal, pensei em falar de Chet Baker, pensei em falar do cartão C&A, acabei não falando de nada. É assim que minha mente funciona atualmente: falta foco, falta um desejo de transformar em palavras bem concatenadas o que sinto, o que vejo, o que penso.Enfim, chego sempre à mesma conclusão: outros já disseram o que penso, o que sinto, o que vejo melhor que eu.
E por falar nisso, não há a menor dúvida de que Itamar Assumpção é/foi um destes que melhor sintetizaram meus sentimentos, meus pensamentos… Ataulfo Alves era assim, falava com uma simplicidade inigualável o que há de mais complexo na alma humana. Não é à toa que Itamar gravou um disco em homenagem a Ataulfo: ambos falavam, a seu modo, das mesmas coisas. A rotina da vida a dois, as agruras do trabalho, o desejo de ascenção social… tudo isso está presente na obra de ambos. E o melhor: de uma maneira simples e direta. Ataulfo, à sua maneira, revolucionou o samba. A Itamar coube revolucionar o que se convencionou chamar de MPB, pena que poucos perceberam isso. Ataulfo foi-se celebrado, o nego-dito foi-se quase esquecido…

Evoé, Ataulfo Alves e seu centenário! (1909 – 2009)

Evoé, Itamar Assumpção e seus sessenta anos de nascimento! (1949 – 2009)

Minha singela  homenagem:

“Laranja Madura”, um clássico fundamental de Ataulfo Alves no arranjo soul de Itamar com participação de outro maldito – Jards Macalé; recriando o clássico samba-canção da música brasileira.

Laranja Madura (Ataulfo Alves)

Ouça aqui!

Você diz que me dá casa e comida
Boa vida e dinheiro pra gastar
O que é que há, minha gente o que é que há
Tanta bondade que me faz desconfiar
Laranja madura na beira da estrada
Tá bichada Zé ou tem marimbondo no pé

Santo que vê muita esmola na sua sacola
Desconfia e não faz milagres não
Gosto de Maria Rosa mas quem me dá prosa é Rosa Maria
Vejam só que confusão

Laranja madura na beira da estrada
Tá bichada Zé ou tem marimbondo no pé

“Sutil”, uma das mais belas canções de Itamar Assumpção, na voz da melhor cantora em atividade no Brasil, a divina Ná Ozzetti.

Sutil (Itamar Assumpção)

Ouça aqui!

Sendo fim também és
Tu és meio e começo
Sim e não, norte e sul
Direito avesso
Você me seduziu desde o inicio
Sendo assim porém fica mais difícil

É muita luz pra pouco túnel
É muita areia para o meu caminhãozinho
Meu bem eu morro de ciúmes até do sol
Que bronzeia você com carinho
Algo me diz pra ser sutil
Não faço idéia mas me resta um caminho
Pedir socorro teu perfume é fatal
Quanto as patas de um felino

Pode parecer incrível
Me deu na telha te dar meu coraçãozinho
Além de entregar meu telefone e o ramal
Ligues rapidinho

Ser feliz é bem possível
A lua cheia me reduz a pedacinhos
Eu viro prata, viro loba
Eu viro viro vampira
Viro menina

Cê tá pensando que eu sou lóki, bicho?

Posted in Genealogias de minhas paixões, musique non stop with tags , , on 18/08/2009 by coelhoraposo

img_esquerda

Acabo de chegar do Teatro do Bancários onde finalmente assisti Loki – Arnaldo Baptista. Quando passou em Brasília no fim de junho, não fui porque tinha a famigerada monografia me consumindo as tripas. Quando me libertei, tinha saído de cartaz. A projeção foi muito ruim: áudio sem sincronia e mal distribuído nos alto-falantes, a imagem bem ruinzinha, não tinha pipoqueiro na frente do teatro (cheguei ávido por um saco de pipoca para esbaldar)…

Mas apesar de tudo isso, adorei. E adorei porque adoro Arnaldo. O documentário tem o mérito de ser um homenagem há muito tempo devida a um dos maiores nomes da música brasileira. Alguns depoimentos são muito interessantes (o tapa de luva de pelica que o irmão Sérgio dá em Rita Lee é  um deles), outros nem tanto. Mas o principal é que, apesar do tom de exaltação a figura de Arnaldo presente em todo o filme, ele é apresentado no que tem de melhor: a sua visceralidade, seus sofrimentos, sua volta por cima e sua busca pela felicidade e pela paz de espírito.

Filme emocionante. Triste mas que nos mostra o quanto é fácil ser feliz. Talvez de tão fácil não acreditemos ser possível, o que nos leva a tortuosos caminhos que só fazem nos afastar da felicidade fazendo com que nunca a encontremos.  Se ser normal é não perceber o quanto a vida é simples, Arnaldo abraçou a loucura e fez dela arte. E é nessa loucura que reside a sabedoria de Arnaldo, como fala Tom Zé no início do filme, uma sabedoria que incomoda porque brota das profundezas da alma. Sabedoria que brota da loucura de simplesmente viver.

“Mas louco é quem me diz e não é feliz, eu sou feliz”

eu sou você que se vai no sumidouro do espelho…

Posted in musique non stop with tags , , , on 09/07/2009 by coelhoraposo

A ausência de posts por aqui se deve a um monte de coisas, mas a principal é falta de inspiração. Como hoje me deu vontade de colocar algo por aqui, pensei em Guinga. Afinal ele é o melhor compositor em atividade no Brasil. E quem diz isso não sou eu, mas sim o Chico Buarque.

Adoro Catavento e Girassol(Guinga/Aldir Blanc) com todas as minhas forças. Está entre os Top 5 da minha vida. Definitivamente. Maravilhoso. Deliciem-se!

ps. pra quem não conhece o Guinga ele não é a Leila Pinheiro (apesar de terem gostos em comum, se é que vocês me entendem), mas sim o violonista que está tocando com ela