Arquivo para Björk

15 dias

Posted in itinerários, musique non stop, pequenos grandes prazeres, vomitando palavras with tags , , , , , , , , , on 05/07/2012 by coelhoraposo

Há exatos 4 meses decidi que passaria minhas férias na Europa com direito a uma esticada até o Japão para visitar a Lisa.  Descarreguei um caminhão de milhas do Smiles e emiti meus bilhetes. Mas como comigo tudo é muito inconstante, logo veio o desânimo: depois de programada a viagem, bateu aquela sensação imperdoável e macunaímica do “ai, que preguiça…”

Mas o tempo foi passando e, devido às vicissitudes da vida, a volta ao mundo em 30 dias foi restringida ao velho continente europeu. (O projeto verão japonês talvez se transforme em projeto primaveril com direito a assistir o espetáculo do Hanami no ano que vem.)

Mas depois de um certo frio na barriga, finalmente fechei as datas, comprei as passagens internas e estou começando hoje a contagem regressiva para o verão: rever Paris, visitar amigos queridos do meu coração, conhecer lugares novos, procurar sebos de vinil, tomar uns bonsdrink, ver a crise de perto e, claro, como não podia deixar de ser, assistir a shows memoráveis

Quanto aos shows só digo o seguinte:

– Dia 04/08:

– Dia 10/08:

e

– Dia 11/08:

-Dia 12/08:

e o gran finale, dia 17/08:

Sónar São Paulo

Posted in itinerários, musique non stop with tags , , , , , , , on 08/05/2012 by coelhoraposo

Nos próximos dias 11 e 12, acontecerá a primeira edição completa do Sónar no Brasil. O Festival Internacional de Música Avançada e New Media Art, que tem nome completo pomposo e sotaque catalão – já que sua origem está em Barcelona (onde ocorrerá sua décima-nona edição neste ano); desembarcará no Anhembi trazendo muita coisa bacana para ver, ouvir e sentir.

A estrela da primeira noite cancelou sua apresentação por motivos de saúde: Björk está com as cordas vocais inflamadas e deu um tempo na cantoria. Para o seu lugar, os incríveis senhores germânicos do Kraftwerk foram convocados. Ponto para a produção do festival que não deixou por menos e trocou uma estrela de primeira grandeza por quatro.

Mas como nem tudo são flores, estava eu tentando montar minha agendinha de shows para não ficar perdido entre tantas opções e cheguei a um dilema, um dilema que tem dia e horário para acontecer, a saber, sábado, 12 de maio, 22h: praticamente no mesmo horário, cada um dos três palcos do festival apresentará um show que promete ser fantástico.

No palco SonarClub, às 22h, Cee Lo Green, em projeto solo (ele é a voz do Gnarls Barkley) entra em ação com seu soul de roupagem pop-energizante.

Já no palco SonarVillage, no mesmo horário, o incensado Flying Lotus (o produtor tem dois de seus três álbuns com o selo “best new music” do portal Pitchfork.com), apresenta seu trabalho.

Por fim, no palco SonarHall, meia hora depois, o quinteto escocês Mogwai, traz seu rock experimental para abrilhantar o festival.

E agora, José?

Cee Lo Green em seu hit-chiclete:

Flying Lotus:

Mogwai e seu trip-rock:

2012 promete…

Posted in canções fundamentais, itinerários, musique non stop with tags , , , , , , , , on 08/02/2012 by coelhoraposo

…muita música boa vindo por aí!

Tenho algo como 9 rascunhos de post esperando para serem retomados. Mas fui obrigado a ultrapassá-los para compartilhar o fato de quem 2012 será um ano cheio de aventuras musicais fantásticas!

Vencida a inexplicável tentação de ir para o Lolla Pa Loser (ok, tem bandas bem legais no line-up, mas nada que me faça rumar até o Jockey Club de São Paulo), já estou com meus ingressos na mão para ver Björk, Ryuichi Sakamoto, Justice e mais uma pá de coisa incrível na primeira edição brazuca do Sónar.

Daí, eis que o Lucio Ribeiro anuncia que sua casa de shows, o Cine Jóia receberá em abril, o ex-vocalista do Screaming Trees e personificação da atitude rock’n’roll, Mark Lanegan. Dia 14 de abril, mais especificamente.

Não bastando, o mesmo Lucio agora há pouco postou em seu blog que o bardo estadunidense Robert Zimmerman, também conhecido como Bob Dylan, deve desembarcar em abril ou maio para uma turnê brazuca. Será que depois de mais de uma década de tentativas e erros, conseguirei finalmente vê-lo em ação???

É, 2012 começou com tudo!!!

banho de loja

Posted in estante, musique non stop with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 26/07/2011 by coelhoraposo

Há muitos anos que meu hobby favorito é me perder numa loja de discos. Sempre fui um rato de sebo. Quem me conhece, sabe que sou um apaixonado por música e discos em vinil. Nesta nova visita ao Canadá não foi diferente. Tive que comprar outra mala praticamente só para guardar os discos que trouxe de lá. E ao contrário de antes, quando comprava vorazmente, optei só pelo crème de la crème, mesmo assim foi um bocado de coisa que trouxe das andanças por Montréal (lojinha do Festival de Jazz e a Cheap Thrills) e Toronto (a finada Criminal Records, a monumental Sonic Boom, a aconchegante Kops Records e outras que fui conhecendo na companhia da queridíssima Erica).

Enfim, esses bolachões e esses cd’s dizem muito sobre mim e estou muito feliz em tê-los comigo! (O que me lembra que preciso URGENTEMENTE trazer meus discos de Manaus, onde encontram-se em situação de armazenamento deplorável. Qualquer dica de transportadora será bem vinda.) Mas então, eis o que trouxe:

  • Aux Armes Et Cætera, Serge Gainsbourg – mesmo eu, que tenho sérias restrições ao reggae, adoro…
  • Bonnie And Clyde, Serge Gainsbourg – Bardot + Gainsbourg = ❤
  • Curtis, Curtis Mayfield – depois de conhecer através de um cd de banca de revista, enfim o original LP do fenomenal álbum de Mayfield
  • Ethio Jazz, Mulatu Astatke – tava mais do que na hora de conhecer Mulatu Astatke…
  • Histoire de Melody Nelson, Serge Gainsbourg – ah, melody…
  • In Rainbows, Radiohead – tá na hora de conhecer radiohead de verdade, né?
  • Initials B.B., Serge Gainbourg – clássica compilação de Gainsbarre
  • Jane Birkin/Serge Gainsbourg,  Serge Gainsbourg – para além de je t’aime… moi non plus
  • My Life in the Bush of Ghosts, Brian Eno + David Byrne – ❤ ❤ ❤
  • New Skin For The Old Ceremony, Leonard Cohen – pra mim, disparado o melhor de Cohen
  • Picnic Suite, Claude Bolling/Alexandre Lagoya/Jean-Pierre Rampal – sempre gostoso de ouvir os discos do Bolling
  • Red Hot + Rio 2, vários – para fazer par ao Red Hot + Rio de 15 anos atrás…
  • Roots, Curtis Mayfield – outro clássico de Curtis
  • Shaft, Isaac Hayes – Who is the man that would risk his neck for his brother man? (Shaft!)
  • Superfly, Curtis Mayfield – um dos raros momentos em que a trilha-sonora é infinitamente mais importante que o filme em si
  • Talking Book, Stevie Wonder – provavelmente o melhor álbum de Stevie Wonder
  • Tecnicolor – Os Mutantes – porque Mutantes é Mutantes, saca?
  • The Perfect Jazz Collection – Vols. 1 e 2coleção de 50 cd’s com 50 álbuns fundamentais da história do jazz de A a Z – ampliados, remasterizados e tudo por uma pechincha!
  • The Revolution Will Not Be Televised, Gil Scott-Heron – grata surpresa
  • Unknown Pleasures, Joy Division – até então, um prazer desconhecido pra mim
  • Voltaic, Björk – álbum ao vivo da tournée do Volta, mas não registra shows, mas sim os ensaios impecáveis da islandesa