Archive for the canções fundamentais Category

rock my world

Posted in canções fundamentais, estante, Genealogias de minhas paixões, homenagens, listas, musique non stop with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 14/07/2012 by coelhoraposo

Ontem foi o dia do rock, bebê! Mas me deu preguiça de postar algo sobre. Mas resolvi fazer uma listinha rápida dos maiores nomes de todos os tempos da história da humanidade de todas as galáxias do meu mundo. Por motivos óbvios (e também para caber mais gente), Beatles e Rolling Stones ficaram de fora. São hors-concours. Assim, escolhi os 20 nomes que representam o que eu considero como a créme de la créme e que sempre estão e estarão presentes nos meus cd-players, ipods, toca-discos e afins. Separei 10  bandas e 10 artistas fundamentais para sintetizar o que o rock signific pra mim. Ah, e em ordem alfabética, porque hierarquizá-los seria covardia, ok? Vamos lá!

  • Cream, porque com eles o rock virou gente grande. Agradeçam ao blues;
  • Deep Purple, porque fizeram o riff mais incrível de todos os tempos, o de “Smoke On The Water”, é claro.;
  • The Doors, porque elevou a beleza poética das letras do rock para níveis estratosféricos. Além de ter o maior band leader que uma banda poderia ter;
  • Os Mutantes, porque é a banda mais incrível já formada neste Brasilzão de meu deus;
  • Nick Cave And The Bad Seeds, porque quando você quer rimar amor com dor, misturar religião e morte e outros temas tão singelos quanto esses, você sabe a quem recorrer;
  • Pink Floyd, porque os caras inventaram o rock progressivo sem ficar chatos como o resto do rock progressivo. Além de capas de disco memoráveis;
  • Queens Of The Stone Age, porque um belo dia um tal Joshua Homme chutou a porta da casa do rock e disse: que merda é essa que você se tornou?? Vamos simplificar isso aqui e parar com frescura, porra!”
  • Roxy Music, porque rock também é estiloso, cool, glamouroso e tem o crooner mais charmoso de todos, Bryan Ferry;
  • Talking Heads, porque o rock também pode ser cabeça (não foi um trocadilho proposital, eu juro!);
  • The Who, porque é minha banda do coração e representa toda a revolta juvenil represada do pós-guerra.

E claro, temos aqueles que eram/são estrelas por si só:

  • Bob Dylan, porque… precisa mesmo explicar?
  • Chuck Berry, porque é fundamental reverenciar o pai, certo?
  • David Bowie, porque ninguém consegue se reinventar reinventando tudo ao seu redor como ele;
  • Frank Zappa, porque ele é o recordista de aparições na minha discoteca: aparece umas 50 vezes;
  • Janis Joplin, porque ela é A voz do rock and roll;
  • Jerry Lee Lewis, porque ele (e não o Elvis) deveria ser chamado de rei do rock;
  • Jimi Hendrix, porque ninguém explorou a guitarra elétrica como ele;
  • Johnny Cash, hello, he’s Johnny Cash!
  • Júlio Barroso, porque ele acabou com o marasmo progressivo ao trazer a new wave pro Brasil
  • Raul Seixas, porque ele representa o rock brasileiro como ninguém;
* * *
E como os Rolling Stones completaram 50 anos de carreira nesta semana que passou, um pouco de Stones como banda de apoio do ídolo-mor de Keith Richards (e de praticamente todo roqueiro que se preze), Muddy Waters:

astronauta de mármore (40 anos depois…)

Posted in canções fundamentais, homenagens, musique non stop with tags , , , on 06/06/2012 by coelhoraposo

No dia 06 de junho de 1972, ou seja, há exatos 40 anos, era lançado o seminal álbum “The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars”, quinto álbum de estúdio do jovem David Bowie (25 anos e 5 álbuns nas costas, que tal?) que, enfim, o lançou ao estrelato.

Portanto, façam um favor a vocês mesmos e escutem este que é um dos melhores álbuns da inventiva carreira do camaleão Bowie.

(e claro, esqueçam a versão do Nenhum de Nós que dá título a este post)

… And Ziggy played guitar!

alta ansiedade

Posted in canções fundamentais, Genealogias de minhas paixões, homenagens, itinerários, musique non stop with tags , , on 16/04/2012 by coelhoraposo

Após a apresentação de Mark Lanegan no último sábado, que não foi menos que… fodona (perdoem-me o linguajar, mas em se tratando de Lanegan, só definindo assim seu showzaço); acaba de cair a ficha de que finalmente terei a oportunidade de ver ao vivo, a cores e a poucos metros o pacato senhor de 71 anos, que carrega em seu passaporte o nome de Robert Allen Zimmerman.

Mas podemos chamá-lo de Bob Dylan.

Aguardo desde 1998 a chance de ver Dylan em ação. Depois de perdê-la em 1998 e 2008, agarrei a chance deste ano com unhas e dentes.

E a ansiedade me consome.

* * *

Acho que se fosse eu em Copacabana dando de cara com ele na rua, eu desmaiava!

"Tem alguma coisa acontecendo e você sabe muito bem o que é, não é verdade, Sr. Dylan?" - legenda que veio bem a calhar, dada pelo guitarrista da banda Do Amor, Gabriel Bubu.
Foto: Nana Tucci/Agência Estado

* * *

A julgar pelo setlist da apresentação de ontem no Rio de Janeiro, não teremos “Love Sick” (do premiado e fantástico Time Out Of Mind, de 1997), mas não custa nada sonhar…

02 de abril: dia internacional da sedução

Posted in canções fundamentais, homenagens, musique non stop, nonsense with tags , , , , , , , , on 02/04/2012 by coelhoraposo

Se estivesse vivo, Serge Gainsbourg completaria hoje 84 anos.

Se estivesse vivo, Marvin Gaye completaria hoje 83 anos.

Para completar a trinca, hoje também é aniversário daquele que transformou a sedução em arte: Giacomo Girolamo Casanova de Seingalt.

Com toda a certeza hoje deveria ser um dia em homenagem aos sedutores em geral, afinal Gaye, Gainsbourg e Casanova nascerem no mesmo dia não pode ser coincidência: é destino.

E mais uma prova de que o destino é algo poderoso, também foi num 02 de abril que nasceu Jahanara Begum Sahib. Quem é Jahanara, você deve estar se perguntando. Eu também não sabia, mas ela é um dos frutos do amor de Shah Jahan por Mumtaz Mahal, amor este eternizado em mármore branco no monumental Taj Mahal.

É, dia 02 de abril é realmente um dia homenagem ao amor e à sedução…

*  *  *

Gainsbourg e Jane Birkin no GENIAL Histoire de Melody Nelson, de 1971:

Marvin Gaye no igualmente GENIAL Let’s Get It On, de 1973:

Casanova, interpretado por Donald Sutherland, no filmaço de Federico Fellini:

Jorge Ben cantando a história “do amor do príncipe Shah Jahan, pela princesa Mumtaz Mahal…” e Tê Tê Tê Têtêretê!!!

*  *  *

EM TEMPO!

Dia 02 de abril também foi o dia em que nasceram os escritores Émile Zola, Hans Christian Andersen e Camille Paglia; o ator Sir Alec Guinness, o pintorMax Ernst, o médium Chico Xavier, o piloto de F1 Jack Brabham e Edmundo, o animal.

Enfim, um dia auspicioso…

Boa semana a todos!

the wall

Posted in canções fundamentais, musique non stop, nonsense with tags , , , , , , on 23/03/2012 by coelhoraposo

Outro dia um amigo publicou no facebook que o The Wall era o melhor álbum já gravado. Apesar de adorar listinhas (como fiz com a série: “os 25 álbuns que mudaram o (meu) mundo“) e coisa e tal, tenho sérias restrições a esse tipo de afirmação.

Pink Floyd nunca foi o meu forte, apesar do apelido que tinha no segundo grau (por causa de um boné da banda inglesa que eu usava com certa frequência). Tanto é que quando começo a cantarolar “Another Brick In The Wall – Part II“, sempre me vem à mente o Falcão cantando “hey, chica! Deixa o gato em paz!” (Amolda o bicho na parede – parte II). Ou ainda, acabo sempre emendando “Eyesight to The Blind“, do clássico-mor do The Who, a ópera-rock Tommy, de 1969.

Com a turnê de Roger Waters executando The Wall em sua integralidade chegando ao Brasil, comecei a ter comichão para querer ter essa experiência pinkfloydeana. Mas, a razão falou mais alto e decidi nem pensar mais a respeito.

Se acertei em deixar passar o Waters dessa vez, ainda não sei. Mas em minha próxima ida a Rio Preto da Eva, município a menos de 100 km de Manaus, procurarei assistir o Pink & Floyd para tirar a prova dos nove:

cinzas

Posted in canções fundamentais, Divã with tags , , , on 17/02/2012 by coelhoraposo

A “Marcha da Quarta-Feira de Cinzas”, canção composta por Carlos Lyra e Vinícius de Moraes, situa-se na zona de transição entre o “o amor, o sorriso e a flor” da bossa nova e a urgência e a melancolia das canções de protesto. Composta pouco antes do golpe de 1964, ela fala do fim de festa, da tristeza que o fim do carnaval gera: o estado de euforia que logo se transforma nas cinzas do dia-a-dia.

Não foi à toa que esta foi a canção escolhida para abrir o primeiro álbum de Nara Leão, lançado logo após o golpe de 1964. Assim, a canção passou a ser utilizada como metáfora para o período de cinzas e tristeza que se instalara com a ditadura militar.

Mas era preciso cantar, era preciso cantar e alegrar a cidade…

* * *

Mas esta postagem em nada tem a ver com o carnaval ou com a ditadura militar. Esta postagem tem a ver com a canção de Carlinhos Lyra e Vinícius – especificamente a versão abaixo que está em O Poeta e O Violão (1975), de Toquinho e Vinícius; tem a ver com o turbilhão de sensações que toma o meu corpo e povoa minha memória ao escutá-la: amores do passado, amores do presente, alegrias, decepções, esperança e… vida.

E por falar em vida, vida que segue, afinal é preciso cantar. Sempre.

Bom carnaval e tod@s!

2012 promete…

Posted in canções fundamentais, itinerários, musique non stop with tags , , , , , , , , on 08/02/2012 by coelhoraposo

…muita música boa vindo por aí!

Tenho algo como 9 rascunhos de post esperando para serem retomados. Mas fui obrigado a ultrapassá-los para compartilhar o fato de quem 2012 será um ano cheio de aventuras musicais fantásticas!

Vencida a inexplicável tentação de ir para o Lolla Pa Loser (ok, tem bandas bem legais no line-up, mas nada que me faça rumar até o Jockey Club de São Paulo), já estou com meus ingressos na mão para ver Björk, Ryuichi Sakamoto, Justice e mais uma pá de coisa incrível na primeira edição brazuca do Sónar.

Daí, eis que o Lucio Ribeiro anuncia que sua casa de shows, o Cine Jóia receberá em abril, o ex-vocalista do Screaming Trees e personificação da atitude rock’n’roll, Mark Lanegan. Dia 14 de abril, mais especificamente.

Não bastando, o mesmo Lucio agora há pouco postou em seu blog que o bardo estadunidense Robert Zimmerman, também conhecido como Bob Dylan, deve desembarcar em abril ou maio para uma turnê brazuca. Será que depois de mais de uma década de tentativas e erros, conseguirei finalmente vê-lo em ação???

É, 2012 começou com tudo!!!